Harley Davidson e Grupo Izzo travam batalha judicial


HD e Grupo Izzo travam batalha judicial

A Harley-Davidson Motor Company INC (USA), a Harley-Davidson Michigan LLC (USA) e a Harley-Davidson do Brasil entraram com processo na justiça brasileira, em março, contra a HDSP Comércio de Veículos Ltda (lê-se Grupo Izzo), revendedor exclusivo da marca no mercado nacional desde 1994. As autoras da ação alegam que a empresa brasileira estava violando o contrato entre eles. Por outro lado, o Grupo Izzo defende-se afirmando que havia uma negociação para alteração do contrato, quando foi surpreendida pela ação judicial. Ainda em andamento na 26ª Vara Cível de São Paulo, o processo não teve uma decisão final, porém o último despacho do juiz manteve a vigência do contrato, porém obrigou a HDSP a comercializar apenas motos da marca norte-americana.Em comunicado enviado à INFOMOTO pela Edelman Brasil, agência de Relações Públicas, a Harley-Davidson afirma que “tomamos conhecimento que nosso revendedor exclusivo no Brasil está violando o contrato com a Harley-Davidson, tirando o foco da experiência de consumo, afetando diretamente nossos consumidores e marca. As violações de contrato, problemas de desempenho e falta de foco na marca Harley-Davidson levaram a níveis crescentes de insatisfação dos consumidores no Brasil, e eles têm sido extremamente vocais sobre suas experiências”.

Além disso, no processo inicial os requerentes alegam quebra de contrato de exclusividade. Ainda em seu comunicado, a empresa completa que “após muitas tentativas de remediar a situação diretamente com o distribuidor, que se recusou a reparar a infração do contrato, a Harley-Davidson decidiu tomar providências legais para assegurar que seus consumidores sejam bem atendidos”.

A ação inicial levou o juiz da 26ª Vara Cível de São Paulo a conceder, em 15 de março, uma tutela antecipada para que, após o prazo de 120 dias, fossem rescindidos os contratos por culpa única e exclusiva da HDSP Comércio de Veículos Ltda, além de proibir a empresa de comercializar motocicletas de outras marcas, como Ducati, Triumph, por exemplo.

O Grupo Izzo apresentou sua defesa e depois de analisar os argumentos, o juiz voltou atrás em parte de sua decisão, utilizando-se do “instituto da retratação”. Segundo o despacho de 31 de março, “apesar do descontentamento demonstrado pelas autoras e das ilicitudes praticadas pela ré, o fato aparente é que as autoras agiram com tolerância e ainda concederam à ré diversos prêmios, até recentemente, o que fragiliza o argumento inicial quanto ao mau atendimento aos consumidores. Sem contar que, mesmo depois dos atos violadores dos contratos, as partes mantiveram intensa troca de correspondência, via e-mail, onde as autoras manifestam intenção de continuidade no relacionamento comercial, embora com mudanças nos contratos, o que abala a alegação de perda de confiança”.

O juiz decidiu então reconsiderar parcialmente sua decisão, para afastar, por ora, a tutela antecipada apenas quanto à declaração de rescisão dos contratos. Mantendo, portanto, a obrigação da HDSP de comercializar apenas produtos Harley-Davidson.

Cabo de guerra

Da acusação de que prestava mau atendimento aos clientes, o Grupo Izzo se defende em comunicado afirmando que “o controle sobre o fornecimento de peças para os serviços de manutenção está fora do alcance do Grupo Izzo. Por compromisso com os consumidores, estabelecido em contrato, todas as peças que usamos são fornecidas exclusivamente pelo fabricante das motos. Nem sempre, porém, as peças têm estado disponíveis no momento ideal e desejado…”

A empresa ainda acrescenta que estava negociando o contrato entre as partes, que vence em 2015, mas foi pega de surpresa pela ação. “As negociações, contudo, acabaram tomando um rumo que não se poderia prever. Enquanto se buscava uma solução que reconhecesse os acordos existentes e as contribuições de todos para o sucesso da marca no país, a gestão global da marca optou unilateralmente por uma ação judicial que funcionasse como um atalho para a rescisão do contrato”, afirma o Grupo Izzo em outro trecho da longa carta enviada à INFOMOTO.

Os documentos, aos quais INFOMOTO teve acesso, e que constam nos autos do processo, trazem troca de correspondência eletrônica, datada de setembro de 2009, entre Mark Van Genderen, Vice Presidente e Diretor da América Latina da Harley-Davidson Motor Company, e Paulo Izzo, do Grupo brasileiro.

Van Genderen afirma que “com a nova administração sênior, a Harley-Davidson Motor Company está avaliando todos os aspectos do negócio… Levando em consideração que temos um contrato de distribuição de motocicletas em vigor com a HDSP para o Brasil até o fim de 2015, a Empresa gostaria de saber se você (nota da redação – Paulo Izzo) e eu podemos chegar a um acordo amigável por meio do qual o contrato seria alterado, concedendo à Harley-Davidson a flexibilidade de indicar outras concessionárias no mercado, antes do final de 2015”, conforme versão em português de Tradutora Pública. Ou seja, havia o desejo da Harley de assumir o controle da operação no mercado brasileiro.

Outro e-mail, de 28 de janeiro deste ano, comprova que o Grupo Izzo e a Harley-Davidson estavam, de fato, negociando o contrato vigente entre eles. Neste e-mail, Van Genderen enumera alguns termos de um contrato de transição entre as partes, porém ressalta que “os termos a seguir não constituem um contrato e nem uma oferta por nenhum de nós, mas sim um esboço dos pontos que temos discutido.”

Entre os termos discutidos, a HDSP permaneceria como revendedora exclusiva no Brasil até setembro de 2012. Previa também, ainda neste ano, o anúncio de que a Harley estaria aumentando sua presença comercial no Brasil. Neste ponto o Vice Presidente, Van Genderen, é enfático: “Conforme conversamos… o anúncio ocorrerá independentemente de se chegarmos a um acordo quanto a uma alteração contratual. A maneira em que o anúncio será feito e seu respectivo contexto poderão variar dependendo de se chegarmos ou não a um acordo.”

Situação atual

De acordo com o último despacho do juiz, o contrato entre HDSP e Harley-Davidson continua em vigor. Porém o magistrado finaliza: “Ressalvado que, após produção de provas e o desenvolvimento do regular contraditório, a questão poderá ser reapreciada, inclusive na sentença”. Em seu comunicado a Harley-Davidson diz que “Devido à atual decisão judicial, a HSDP / Grupo Izzo tem a obrigação de prestar todos os serviços necessários para os clientes, incluindo serviços de garantia.”

O Grupo Izzo afirma também que “as responsabilidades pelo desenvolvimento da marca e o relacionamento com os mais de 20 mil proprietários de Harley-Davidson no Brasil continuam em vigor”.

FOTOS: Gustavo Epifanio

 
Fonte: Moto.com.br

  1. Espero com essa medida que venha melhorar a assistencia para nos consumidores de hd

    Curtir

    Responder

  2. Flavio Vitorino 15/04/2010 às 10:04

    Sou proprietário da marca e tenho uma dificuldade enorme de conseguir peças de reposição, quando consigo os preços são abusivos no mercado nacional.

    Curtir

    Responder

  3. É exatamente a dificuldade em conseguir peças de reposição e o seu valor abusivo aqui no Brasil, que me impedem até o momento de adquirir uma HD.

    Curtir

    Responder

  4. Aero Louzada 16/04/2010 às 00:34

    Possuo uma Yamaha Dragstar e pretendo trocar por uma H-D, porem todos os quatro emails enviados ao Grupo Izzo demonstraram que a empresa está pouco dando importância ao consumidor dos seus produtos. Fico imaginando como seria depois de adquirir a moto, o relacionamento pós-venda.

    Curtir

    Responder

  5. acho que se uma empresa se propoe a oferecer um produto exclusivo, ela deveria se dedicar plenamente ao produto e aos clientes justamente para garantir o que as pessoas procuram no produto e para satisfazer estilo de vida que a marca representa. nao tenho uma HD e estaria mentindo se dissesse que não é um sonho de consumo, mas se viesse a realizar este sonho, nao gostaria de ve-lo se tornar um pesadelo! como vejo que para alguns, se tornou!

    Curtir

    Responder

  6. Eu tenho uma Harley e para a minha decepsão o atendimento para a compra é fria e o após venda é uma tristeza pois eles não ligão para o atendimento e a garantia é uma metáfora.

    Curtir

    Responder

  7. A quem tem ou pretende ter uma H.D. , infelizmente ter uma H.D no Brasil significa comprar um objeto decorativo para ficar na garagem, pois quando se precisa de peças de reposição é cobrado um preço que chega a dar raiva ou pior fica mofando até te darem um retorno para consertarem ou efetuarem uma simples troca. Moral da historia NÃO tenham uma H.D comprem uma Yamaha uma Honda até Kasinski tá valendo mais a pena ( pelo menos tem peças nacionais para reposição ). De que adianta ter um mito na garagem e de lá não poder sair ?

    Curtir

    Responder

  8. O pessoal da oficina de POA tem um esquema para vender acessórios:
    Dizem que não tem a peça mas, informam o preço super faturado.
    Depois se lembram que tem um colega que tirou da moto e dão um preço um pouco menor e ainda te entregam montado. Porém o preço continua super faturado. Aqueles guris acham que enganam pessoas mais velhas e mais experientes. Agoram vão pagar o preço do mau atendimento. O grupo Izzo cai fora em 120 dias. Contagem regrtessiva. he,he…..

    Curtir

    Responder

Deixe seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: