Bomba Posto De Combustível

Conheça os riscos de encher o tanque com combustível adulterado

Cuidado com a moto nunca é demais, porém, muitos motociclistas podem estar enchendo o tanque da moto com combustível adulterado sem saber. A gasolina “batizada”, como é chamada popularmente, nada mais é do que um combustível com adição de solventes e álcool anidro acima da média permitida por lei ou ainda substâncias desconhecidas, que são misturadas ao produto original.

Quando este combustível entra em contato com o tanque da moto, pode causar graves problemas no motor, cabeçote, pistão, além de instabilidade na marcha, maior consumo de gasolina e prejuízo no bolso. Para evitar problemas na moto, o motociclista deve ficar de olho no posto em que abastece e averiguar se a gasolina que está acostumado a usar respeita os padrões da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Para o gerente de pós-vendas da Triumph, Cláudio Peruche, é possível identificar se o combustível está adulterado, observando problemas no veículo. “Hoje, basicamente existem algumas falhas que são perceptíveis. A motocicleta pode falhar repentinamente, “engasgar” e causar dificuldades na aceleração e partida”, explica.

Peruche explica que, em alguns casos, os danos podem ser mais graves. “Existem situações em que o combustível adulterado pode causar risco no sistema de alimentação da moto ou na bomba de combustível. Em casos mais complicados afeta a vibração da cabeça do motor, que pode trincar o pistão e o cabeçote. O catalisador e a injeção eletrônica também sofrem grandes danos”, afirma.

Embora nem sempre seja possível verificar a qualidade do combustível, alguns cuidados podem evitar o prejuízo com a moto. “O piloto tem a responsabilidade de escolher um bom posto para abastecer a moto. Optar por combustíveis de boa qualidade, bandeiras conhecidas e de confiança são importantes. Se for possível, deve verificar se no local os dados do posto estão identificados e checar informações como site e fornecedores”, afirma Peruche.

Antes de abastecer a moto, fique de olho:

1 – Confira a origem do combustível: O posto deve informar claramente de onde são os produtos. Os postos sem distribuidora exclusiva (bandeira branca) têm que informar, em cada bomba abastecedora, qual foi a distribuição que forneceu o combustível.

2- Peça o teste de proveta: Se suspeitar da qualidade da gasolina pode e deve pedir no posto que realizem na hora o “teste de proveta”, que mede a porcentagem de etanol misturado à gasolina. Esse teste, quando solicitado, é obrigatório para o posto revendedor de combustíveis, conforme a Resolução ANP nº 9, de 7 de março de 2007. Conheça o teste em www.anp.gov.br/duvidasfrequentes, no link “Qualidade dos Combustíveis”.

3- Fique de olho no Etanol Hidratado: Verifique se o etanol hidratado está límpido, isento de impurezas e sem coloração alaranjada. A cor alaranjada pode ser sinal de irregularidade. Confira também se é o etanol adequado para motores: o teor alcoólico deve estar entre 95,1% e 96,6% em volume (92,5 % e 93,8 % em massa). Ou entre 97,1 % e 98,6 % em volume (95,5 % e 97,7 % em massa), no caso do produto “premium”. Se duvidar, solicite o teste de verificação do teor alcoólico.

4- Exija sempre nota fiscal: Além de comprovar o abastecimento, garante o conhecimento da origem do combustível no tanque da moto. Com a nota, podem ser verificadas outras obrigações do posto, como: CNPJ, placa da ANP visível com o telefone do Centro de Relações com o Consumidor (0800 970 0267), bandeira do posto e marca da distribuidora no caminhão que abastece o posto igual à informada na bomba.

Caso perceba a adulteração, denuncie o posto revendedor de combustível à ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), no site www.anp.com.br/faleconosco ou pelo telefone 0800 970 0267. Para registrar a denúncia, será necessário o maior número de informações do posto, como CNPJ, razão social, endereço, distribuidora e a descrição do ocorrido. Para isso, é importante ter a nota fiscal. Fique atento!

 Fonte: Revista Mundo Moto

sem-tc3adtulo-3 - Conheça os riscos de encher o tanque com combustível adulterado