Yamaha lança moto com 3 cilindros – MT 09

Quando a Yamaha apresentou o primeiro concept de um motor tricilíndrico no Salão de Colónia – INTERMOT, no ano passado, a marca japonesa aproveitou a oportunidade para mostrar ao mercado que estava à procura de soluções totalmente diferentes daquelas que oferecia aos motociclistas e, essa resposta, chega agora com o nome de MT-09.

Há duas semanas atrás a marca japonesa divulgou um teaser anunciando um novo modelo, no que seria a sua visão do “lado negro do Japão”, e poucas dúvidas ficaram de que o que quer que aí viesse não iria utilizar outro motor que não fosse o tão aguardado “tri”.

Hoje finalmente a casa de Iwata revela o que tem estado a preparar nos últimos tempos, especificamente para atacar o mercado europeu, utilizando para isso a mesma equipa de designers e engenheiros responsáveis pela superdesportiva YZF-R1 de 1998.

Aproveitando características dos modelos naked e ainda das supermoto, no que a Yamaha descreve como sendo uma “naked-motard”, a nova MT-09 dá uso a um totalmente novo motor tricilíndrico refrigerado por líquido, em que a cilindrada atinge os 847 cc. A potência extraída deste motor atinge os 115 cv às 10.000 rpm, contando com pistões em alumínio forjado e a filosofia de cambota de planos cruzados (utilizada na última geração da YZF-R1).

Com uma ordem de “disparo” de 0º, 180º e 240 º, este motor consegue combinar as características de um motor de quatro em linha, pela sua potência, e ainda as melhores características de um bicilíndrico, ao garantir uma boa resposta desde as baixas rotações.

Para isso contribui também a utilização de trompetas de admissão de comprimento diferenciado entre cada um dos três cilindros (embora não sejam de comprimento variável conforme a velocidade e rotações do motor) e, o acelerador YCC-T – ride-by-wire, o que garante que o condutor recebe aquilo que “pede” do acelerador, de uma forma instantânea e muito linear.

Uma última nota de realçar neste novo motor tricilíndrico da Yamaha é a sua dimensão, extremamente compacta (é mais leve 10 kg do que o “tetra” da FZ8!), que em conjunto com a nova caixa de seis velocidades, também ela muito compacta, permitem a utilização de um quadro em alumínio esguio, quando comparado com modelos equivalentes de quatro cilindros, facilitando a vida até dos condutores mais baixos.

Ao nível da eletrónica aplicada na nova MT-09, a Yamaha inclui a possibilidade do condutor adaptar o caráter do motor às mais variadas situações, através do sistema Yamaha D-mode, que inclui três mapas de motor diferentes: STD resposta normal, A para resposta máxima, e B para resposta suavizada aos comandos do acelerador.

Olhando para as suspensões, e tendo em conta que a Yamaha pretende comercializar esta MT-09 a partir de outubro próximo com um PVP “muito competitivo” (o valor final ainda não está definido), de destacar a utilização de um conjunto de suspensões de qualidade, que ajudam o condutor a enfrentar tudo o que a “selva” urbana lhe atira: forquilha com bainhas de 41 mm à frente e um monoamortecedor tipo Monocross, posicionado praticamente horizontalmente na moto, permitindo a afinação da pré-carga, compressão e extensão.

A ciclística fica completa com a aplicação de dois discos de 298 mm à frente, mordidos por pinças radiais de 4 pistões, enquanto atrás um único disco de 245 mm completa o sistema de travagem, potente e eficaz.

A Yamaha afirma que com esta MT-09 abre definitivamente a porta a um novo caminho a percorrer, caminho que inevitavelmente irá levar a outras novidades que utilizarão o motor tricilíndrico, embora com diferentes cilindradas e desenvolvidos tendo em conta as mais diversas utilizações.

Fonte: Motociclismo

Imagens: Motorcycle News